segunda-feira , julho 16 2018
Capa / Fatos / Superando as probabilidades: A luta incansável das mulheres negras
Superando as probabilidades: A luta incansável das mulheres negras

Superando as probabilidades: A luta incansável das mulheres negras

DConti1Foto03Por Thathiana Gurgel Em 20 de novembro o Dia Nacional da Consciência Negra é comemorado no Brasil. Na mesma data, em 1695, Zumbi dos Palmares, o último líder do Quilombo dos Palmares(um dos mais importantes no período colonial), foi morto. 125 anos após a abolição da escravatura , a inclusão de negros e, mais especificamente, as mulheres negras na sociedade brasileira, continua a ser dificultada pelos remanescentes dessa desigualdade histórica, em que a data comemorativa nos convida a refletir. Os índices do IBGE a partir de agosto de 2013, relativa à taxa de desemprego, em percentagem da população economicamente ativa, refletem essa desigualdade no mercado de trabalho. O desempregados representam 6,4% da população negra , contra 4,3% da população branca. Configurado por sexo, o desemprego afeta 8% das mulheres negras, em comparação com 5% das mulheres brancas, 5% dos homens negros e 3,7% dos homens brancos. Foto: Arquivo Pessoal - Thula Pires foi o primeiro de sua família a completar seu mestrado e doutorado Para o professor de Direito da PUC-Rio (1), Thula Pires, de 33 anos, os indicadores mostram que a posição social da mulher negra ainda é um lugar subordinado. "As mulheres negras representam a mais alta taxa de analfabetismo e desemprego e a menor taxa de empregos formais não domésticos (público ou privado)", diz Thula, que tem "uma trajetória que não reflete, nem remotamente, a trajetória do negro brasileiro mulheres ". Thula estudaram em escolas particulares e fez seus estudos de pós-graduação da PUC-Rio, também uma universidade privada. Cleonir Alves ou Tia Gaúcha (2) (como é conhecida), de 72 anos, presidente do Conselho de Mulheres da Zona Oeste (Conselho de Mulheres da Zona Oeste ou COMZO), tem uma trajetória mais próxima da realidade da maioria das mulheres negras brasileiras . Ela veio do Rio Grande do Sul, com o marido, para "tentar a vida" no Rio. Imediatamente, ela ficou grávida e teve oito filhos, embora apenas seis sobreviveram. Durante seu primeiro ano no Rio, ela chegou a passar noites na rua, mesmo grávida, ter onde dormir, para conseguir seu primeiro emprego como empregada doméstica . Foto: Thathiana Gurgel - Tia Gaúcha levantaram seus seis filhos sozinho e agora faz campanha para o empoderamento das mulheres na Zona Oeste O presidente da COMZO estudou até a 8ª série e gosta de ler, se informar. Junto com seu marido, que já viveu na Cidade de Deus (3), em Realengo, Bangu e em Santa Cruz, onde se estabeleceu há 22 anos. O marido de Tia Gaúcha morreu quando o filho mais velho do casal era 16. Sozinha, ela teve que trabalhar duro para elevar e sustentar seus seis filhos, acumulando os assuntos da casa com seu dia de trabalho em casas de família, uma profissão que ocupava quase todo o seu vida. O "Gaúcha de Atitude" (Gaúcha com atitude) como é conhecida nas redes sociais ", porque quando tem que falar, ela realmente fala", lutou durante toda a sua vida e passou por uma série de afrontas raciais. Quando era adolescente, seu sonho era ser uma cantora. Ao participar de um concurso de rádio, ouviu o júri dizendo: "esta negrinha (menina negra) (4) canta bem, mas é muito feio para representar o Rio Grande do Sul. "Tia Gaúcha revelou que este foi um dos maiores traumas de sua vida apenas, mas que serviu para incentivá-la a provar seu valor. Hoje, sua luta é pelo fim da violência contra as mulheres e ao empoderamento das mulheres. "Isolamento Racial" em universidades e em categorias profissionais Quando a formação acadêmica é um obstáculo, qualificação profissional também se torna um. Thula aponta para um dos graves discriminações na sociedade brasileira: "o funil representado por ensino superior demonstra o seu elitismo e caráter excludente." O professor atencioso, citando o fichário das Desigualdades Raciais não LAESER / UFRJ (Desigualdade Racial de Arquivo LAESER / UFRJ) , a taxa de escolarização dos jovens brasileiros de acordo com os grupos de cor ou raça, em 2008, para a assimetria que se coloca entre a escolaridade de negros e brancos: é menos de 1% no ensino fundamental, 19% na escola e vai para 23% em ensino superior. "Na última década, porém, teve um salto quântico no ensino superior que podem ser creditados aos programas de ação afirmativa de um ponto de vista sócio-racial implementado em maior escala nas instituições de ensino públicas, bem como em privado. "Mesmo com esses programas, no entanto, este ano USP (Universidade de São Paulo) não teve calouro preto nas três carreiras mais competitivos na faculdade : publicidade, engenharia e medicina. Estas desigualdades criar, dentro de certas profissões, um isolamento racial. Thula disse ela ouve com alguma regularidade comentários como: ". Você não tem o perfil de um professor de direito" Para o professor, no seu caso, esse isolamento não só aparecem na carreira acadêmica, mas na profissão de advogado em geral. Como exemplo, o TRT (Tribunais Regionais do Trabalho ou Tribunais Regionais do Trabalho), existem 487 juízes no total, dos quais 202 são mulheres e, destas, apenas cinco são negros. No TRF (Tribunais Regionais Federais ou Tribunais Regionais Federais), há 145 juízes no total, dos quais 38 são mulheres e, destas, apenas dois são negros. No Tribunais Superiores (Tribunais Superiores), há 82 ministros no total, dos quais 14 são mulheres e não há nenhum ministro preto. Estudante Fernanda acredita no poder da educação para alterar as desigualdades no Brasil.  Foto: Arquivo Pessoal Fernanda Martins, 22, está no oitavo período de Serviço Social da PUC-Rio. Também um morador de Santa Cruz, ela diz que escolheu o curso porque "Admiro o papel do profissional pertencente à sociedade e ao indivíduo, trabalhando na construção de uma sociedade mais justa e igualitária, além de contribuir para o indivíduo conhecer os seus direitos e deveres e ter autonomia para ser o sujeito de sua história. "A maneira de combater a opressão? Fernanda acredita que a educação é o caminho fundamental para essa transformação, e é nesta área que sonha seguir. Fonte: Viva Favela Nota 1. A Pontifícia Universidade Católica ou Pontifícia Universidade Católica é uma das principais instituições de ensino superior do Brasil e tem filiais em todo o país. 2. Gaúcho (masculino) ou Gaúcha (feminino) é um residente dos pampas sul-americanos, Gran Chaco, ou prados da Patagônia, encontrados principalmente na Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia Sudeste, Sul do Brasil e Sul do Chile. No Brasil, a gaúcha / gaúcha é também a principal demonym do povo do Estado do Rio Grande do Sul. Fonte 3. Significado da Cidade de Deus, Cidade de Deus é um bairro na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, Brasil. É também conhecido como CDD nos seus habitantes. O bairro é também o nome ea fixação do filme de 2002 de sucesso de mesmo nome . 4. O termo negrinha é o diminutivo do termo negra , que significa mulher negra.Embora ele e um prazo semelhante, neguinha , são denominações populares, o termo pode ser aceite de uma forma carinhosa, dependendo da forma como é dito e do cenário social, mas muitas mulheres negras estão cada vez mais vendo o termo como um insulto pejorativo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*